CLIQUE NO PLAY E ASSISTA O VIDEO,

ULTIMAS NOTICIAS

ULTIMAS NOTICIAS

Repressão não intimida Grito dos Excluídos que sai às ruas dia 7



Durante a coletiva, Soniamara Maranhão, do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), se solidarizou com a militante do Levante Popular da Juventude Deborah Fabri. A estudante foi atingida por um estilhaço de bomba durante repressão da Polícia Militar de São Paulo e perdeu a visão. Deborah participava de ato contra o governo Temer nesta quarta-feira (31).


“Estamos diante de um sistema fascista que não tem dó, não perdoa, não está brincando”, lembrou Soniamara. Ela foi uma das participantes da coletiva ao lado de Dom Milton Kenan Junior (CNBB), Plinio de Arruda Sampaio (Unicamp), Antonia Carrara (Pastoral Operária) e Ari Alberti, da coordenação do Grito dos Excluídos.

O lema de 2016 das ações é “Este sistema é insuportável: Exclui, degrada, Mata!” e foi inspirado em trecho do discurso do Papa Francisco quando participou em 2015 de encontro com representantes do movimento social na Bolívia. 

O grito se realiza há 22 anos, sempre na semana da Pátria, culminando com intensas manifestações no dia 7 de setembro.

Repressão acirrada

Ari contou que desde maio a coordenação vem alertando para o agravamento da repressão policial. Desde o primeiro grito realizado em 1995 o movimento tem militantes presos. O coordenador nacional afirmou que Temer deixou bem claro no discurso de posse que não vai tolerar protesto.

“Não dá pra fugir. Defender a garantia dos nossos direitos exige luta e exige sacrifícios”, ressaltou. Segundo ele, o objetivo do Grito é repercutir a voz dos excluídos, manifestar indignação diante de um sistema que exclui a população. O movimento também é espaço de organização e mobilização das lutas populares.

Na opinião de Plínio de Arruda Sampaio Junior, professor do Instituto de Economia da Unicamp, a realização desta edição do Grito é especial devido a grave conjuntura pós-golpe. “É para dizer que não vão passar por cima do povo. A burguesia fechou os meios de se fazer a crítica. A critica precisa brotar das ruas!”, enfatizou. 

Segundo ele, vai acontecer uma mudança no padrão de repressão na luta pela preservação dos direitos. Ele completou que para consolidar as mudanças de Temer será preciso um aparato que garanta isso. 

“O povo não pode reclamar. A burguesia brasileira resgatou o pelourinho. Institucionalizaram o pelourinho”, comparou Plínio.

Dom Milton, que é Bispo de Barretos (SP), se mostrou surpreso diante da preocupação dos bispos do centro oeste com a criminalização de integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em Goiás. Valdir Misnerovivz e o agricultor Luiz estão presos há meses denunciados por realizarem ocupações. 

Também mencionou o discurso de Temer que “de forma agressiva deixou claro que não é permitido discordar”.

“O grande desafio é recuperar as lutas de 30 anos e a igreja precisa ficar ao lado da sua história de luta e ajudar o povo a tomar consciência dos riscos que corre”, disse Dom Milton. Ele lamentou que seja menor a compreensão do povo acerca da realidade de desigualdade em que vive e das ameaças iminentes.

Povo na rua
Sem entrar no mérito dos golpes, Plinio de Arruda afirmou que o que impediu os golpes na Turquia e na Venezuela contra Chavez foi o povo na rua. “Se eles radicalizarem nos ataques a gente radicaliza na defesa dos nossos direitos”, completou.

A jornalista da Pastoral Operária, Antonia, lembrou frase do escritor Frei Beto que diz que “que governo e patrão é igual feijão, só amolece com pressão”.

Segundo ela, o povo que move a história não é aquele que fica esperando. Como instrumento de mobilização ela convocou para a 29ª romaria dos Trabalhadores que acontece dia 7 de setembro em Aparecida do Norte (SP).  

A atividade faz parte do Grito dos Excluídos e atua combinando atividades religiosas e ações de conscientização do trabalhador. “Temos fé mas também temos o pé no chão”, disse Antonia.

O calendário com as atividades do Grito ainda não foi concluído. Ari informou que, apesar da criminalização aos movimentos sociais e das adversidades, o Grito “vai chegando em novas paragens. 

Pela primeira vez a ação será realizada nas cidades de  Biguaçu (SC) e Petrópolis (RJ) e vai ser retomada em Passo Fundo (RS), Santos SP) e Manaus (AM). 

“É um sinal interessante para as experiências do Grito”, disse Ari. Ele lembrou o caso de duas cidades no interior da Bahia que vão realizar neste ano o Grito pelo 13º ano. “ E eram lugares em que havia um medo do carlismo (influência da politica exercida pelo política Antonio Carlos Magalhães). Isso mostra que as pessoas estão perdendo este medo”, recordou.
 
Leia também:
Do Portal Vermelho

Pesquisar este blog

Arcebispo da Paraíba convoca para Greve Geral

A Greve Geral que deve paralisar o Brasil próxima sexta-feira, 28, ganhou reforço de membros da igreja Católica. Na P...

MAIS VISTAS

COMENTÁRIOS NO FACEBOOK

INSTAGRAM @namidiadorn