CLIQUE NO PLAY E ASSISTA O VIDEO,

ULTIMAS NOTICIAS

ULTIMAS NOTICIAS

Bandidos querem pânico e clima de cidade sitiada, diz Robinson a Folha de São Paulo

Foto: Assessoria
Folha – Como o sr. explica os ataques dos últimos dias?
Robinson Faria – Tudo isso surgiu porque o Brasil sofre epidemia de violência muito grande. E isso tem várias causas. Tem a crise econômica, tem a questão da droga e a falta de proteção das nossas fronteiras. No caso específico dos ataques, eles começaram depois de uma decisão nossa de instalar bloqueadores de celular nos presídios.
Fui alertado que em outros Estados do Nordeste, como o Ceará, houve retaliações aos bloqueadores. Mesmo assim, mantivemos a nossa decisão.
Com os bloqueadores, desmontamos o escritório de trabalho de bandidos que atuavam dentro dos presídios comandando grupos e estabelecendo metas de assaltos a banco, de tráfico de drogas.
E a tática dos bandidos de atacar ônibus e prédios públicos?
A tática deles é intimidar o Estado, criar um clima de cidade sitiada. Querem deixar a população em pânico para o governo recuar. Mas eles não vão conseguir. O povo apoia as nossas medidas de enfrentamento. Os ataques têm sido comandados por uma facção chamada “Sindicato do RN”, que atua em parceria com o Comando Vermelho, do Rio. Localmente, eles são adversários do PCC. Mas nossas ações de enfrentamento têm mobilizado toda a polícia.
Já prendemos ou apreendemos mais de 85 pessoas, inclusive muitos menores que são usados nos ataques porque têm as regalias da lei.
Os bloqueadores de celular, que motivaram os ataques, já estão funcionando?
Estão sendo instalados. Um deles começou a funcionar hoje [quarta-feira, 3] no presídio de Parnamirim. Mas a nossa ideia é instalar os bloqueadores em todos os presídios do Estado. O próximo será o de Alcaçuz, que é um dos maiores e mais importantes. Não vamos recuar.
O governo anunciou a prisão de 3 supostos chefes dos ataques. As ações foram comandadas dentro dos presídios?
Alguns estavam fora e atuam na parte logística dos ataques. Outros estavam dentro dos presídios e inclusive gravaram áudios distribuídos nas redes sociais, desafiando o Estado e o governador.
Mas a Polícia Civil alega que todos estes áudios são falsos.
A maioria é boato mesmo. Mas alguns são verdadeiros e foram feitos dentro dos presídios. Por isso, estamos mandando esses líderes responsáveis pelos ataques para presídios federais.
Como será a atuação das Forças Armadas nos próximos dias?
Serão 1.000 homens do Exército e 200 da Marinha. A princípio, as Forças Armadas vão atuar em áreas estratégicas como na defesa do aeroporto, corredores de ônibus e áreas turísticas. Enquanto isso, a nossa polícia ficará mais livre para atuar na inteligência.
Qual o impacto desta onda de violência no turismo, um dos principais setores da economia do Rio Grande do Norte?
Os hotéis continuam lotados, nenhum turista foi assaltado. É claro que num primeiro momento existiu um certo esvaziamento de bares e restaurantes. Mas percorri algumas áreas e vi que alguns já estão cheios de turistas.
Como tem sido os últimos dias para o sr.?
Quase não durmo, parei minha agenda, deixei de ir para a abertura da Olimpíada, para encontro de governadores. Mas estou fazendo a coisa certa para trazer a segurança de volta. O Rio Grande do Norte sempre foi tranquilo, não tinha violência. Mas parece que nenhum lugar no Brasil atualmente é seguro.

Pesquisar este blog

Arcebispo da Paraíba convoca para Greve Geral

A Greve Geral que deve paralisar o Brasil próxima sexta-feira, 28, ganhou reforço de membros da igreja Católica. Na P...

MAIS VISTAS

COMENTÁRIOS NO FACEBOOK

INSTAGRAM @namidiadorn