CLIQUE NO PLAY E ASSISTA O VIDEO,

ULTIMAS NOTICIAS

ULTIMAS NOTICIAS

Dilma quer antecipar eleição presidencial para outubro, diz jornal

Conforme o jornal O Globo, Dilma se propõe a renunciar desde que seu vice, Michel Temer (PMDB), faça o mesmo
RJ - ELEI«’ES/DEBATE - POLÕTICA - A presidente e candidata ‡ reeleiÁ„o, Dilma Rousseff (PT), antes do inÌcio do ˙ltimo   debate do segundo turno das eleiÁıes, promovido pela Rede Globo, realizado no Projac, em   Jacarepagu·, na zona oeste do Rio de Janeiro, nesta sexta-feira.      24/10/2014 - Foto: RICARDO DUARTE/AgÍncia RBS/ESTAD√O CONTE⁄DO
A presidente Dilma Rousseff pretende encaminhar ao Congresso, nos próximos dias, uma proposta de emenda à Constituição que estabelece nova eleição presidencial em 2 de outubro, segundo o jornal O Globo. A reportagem afirma que, embora enfrente resistência de alguns ministros e dos movimentos sociais que têm dado suporte à petista, a medida é vista como uma “cartada final” pelo grupo de Dilma.
Na semana passada, um grupo de senadores entregou ao ministro Jaques Wagner uma carta em que pede a Dilma “grandeza” para renunciar ao cargo e antecipar a eleição presidencial com o objetivo de abreviar a crise política. Uma proposta com esse sentido foi apresentada no Senado logo após a Câmara dar andamento ao processo de impeachment.
Conforme o jornal carioca, Dilma se propõe a renunciar desde que seu vice, Michel Temer (PMDB), faça o mesmo. O peemedebista, no entanto, já descartou essa possibilidade assim que essa tese começou a circular. “Seria fugir da responsabilidade. Essa, sim, é uma proposta golpista”, disse o vice ao Globo semana passada.
Um dos apoiadores da antecipação das eleições, o senador Paulo Paim (PT-RS) admite que atualmente não há votos suficientes para aprovar a proposta no Congresso, mas defende que a discussão seja levada aos parlamentares e à sociedade, para atender a uma vontade expressa pelos brasileiros em pesquisas de opinião.
Ainda de acordo com o Globo, preocupada com o destino dos ministros mais próximos, que já estudam migrar para cargos nas administrações estaduais, a presidente programa um “colchão”. O governo prepara um documento legal para garantir salário e imunidade ao primeiro escalão durante o período que durar o processo no Senado, que pode se estender por até 180 dias.
“A ideia é que eles tenham quarentena de seis meses. A lei vigente hoje, de maio de 2013, já estende aos ministros a quarentena, antes restrita a diretores de autarquias, fundações, empresas públicas e sociedades de economia mista. O texto não deixa claro, no entanto, se deve haver pagamento de salário nesse período”, diz a reportagem de Jorge Bastos Moreno, Maiá Menezes e Cristiane Jungblut e colaboração de Jailton de Carvalho.

Pesquisar este blog

Arcebispo da Paraíba convoca para Greve Geral

A Greve Geral que deve paralisar o Brasil próxima sexta-feira, 28, ganhou reforço de membros da igreja Católica. Na P...

MAIS VISTAS

COMENTÁRIOS NO FACEBOOK

INSTAGRAM @namidiadorn