CLIQUE NO PLAY E ASSISTA O VIDEO,

ULTIMAS NOTICIAS

ULTIMAS NOTICIAS

Jornal destaca organização dos catadores de materiais recicláveis em Caicó

Moana Nunes, catadora de materiais recicláveis
Moana Nunes, catadora de materiais recicláveis

El País – Por 23 anos, a vida de Ednalva Belo da Silva, 47, resumiu-se a acordar cedo e trabalhar o quanto o corpo aguentasse no lixão de Parelhas, cidade de 20.000 habitantes no interior do Nordeste brasileiro. Das montanhas de sucata ela muitas vezes tirou alimentos e roupas para si mesma e para os seis filhos, dois dos quais adotivos.

Moana Nunes, aos 19, é bem mais nova que Ednalva. Mas também carrega nas costas longos anos de labuta em um aterro sanitário: depois que o pai abandonou a família, ela começou aos 6 para ajudar a mãe. Até a quinta série, ficava meio período no lixão de Caicó, a 60km de Parelhas. Depois disso passou a trabalhar em tempo integral.

Já faz mais de um ano que Ednalva e Moana saíram dos lixões e hoje se autodenominam “catadoras de materiais recicláveis”. E isso não se trata de uma definição politicamente correta. O trabalho de fato mudou quando as prefeituras locais proibiram o trabalho nos aterros e criaram programas de coleta seletiva, assumidos pelos grupos onde as duas atuam.

Cada uma em sua cidade, hoje elas trabalham em esquema cooperativo. Vestem uniforme. Lidam apenas com lixo seco, sem restos de comida ou outros resíduos orgânicos. Têm horário de trabalho definido. Passam parte do dia na rua – coletando o material – e outra à sombra, em galpões, separando-o para depois vendê-lo para indústrias. 

O novo ambiente de trabalho não tem o mau cheiro característico de um lixão, e nele a possibilidade de contrair uma doença é muito menor. No fim do mês, cada associação divide o lucro entre os participantes.

Pesquisar este blog

Arcebispo da Paraíba convoca para Greve Geral

A Greve Geral que deve paralisar o Brasil próxima sexta-feira, 28, ganhou reforço de membros da igreja Católica. Na P...

MAIS VISTAS

COMENTÁRIOS NO FACEBOOK